Temas e Subtemas

A escolha do tema Espaços e itinerários da memória visa pôr em relevo três eixos teórico-práticos de pesquisa no campo da memória:

1) Instituições e mediações memoriais.

A memória no espaço político, a ação do Estado como formulador e gestor de políticas voltadas para instituir ou desconstruir memórias. Narrativas e agenciamentos de grupos que disputam perspectivas sobre o passado. Formas de conflito em torno da memória e modalidades de institucionalização e mediação visando a identificar as tensões que as ações de memória provocam em diferentes marcos institucionais. Diferentes formas de intervenção de agentes de memória e modalidades de apropriação ou disputa sobre lugares, símbolos ou eventos. Emergência de memórias subterrâneas, políticas de esquecimento e de memorialização. Marcas territoriais da repressão ou da resistência e estudos de caso sobre conflitos de memória em nível local, nacional ou transnacional. Institucionalização das Comissões de Verdade e/ou Justiça em diversos países de America Latina. Fenômenos recentes de alcance global, como as migrações forçadas e os refugiados políticos, sob a perspectiva dos estudos de memória.

2) Linguagens e paisagens da memória.

Linguagens, discursos e espaços de representação dos processos de patrimonialização e memoração de manifestações culturais de grupos, comunidades, etnias. Ressonâncias memoriais de bens materiais e imateriais patrimonializados. Políticas públicas e movimentos de valorização da memória das artes visuais, literatura, música, teatro, cinema, performances, dança, culinária, artesanato. Estudo das narrativas memoriais em esferas públicas e privadas, em espaços analógicos e digitais. Redes de comunicação em mídias tradicionais e inovação tecnológica na educação, nas artes e na cultura, com destaque para a inclusão social, redes sociais e poderes simbólicos. As fronteiras teórico metodológicas da investigação memorial: etnografias, cartografias, índices, construção de banco de dados, infografias arqueológicas. Fenômenos contemporâneos de intervenções sociais nas linguagens e paisagens da memória.

3) Memória e práticas sociais.

Ação memorial em instituições culturais, no exemplo dos museus, bibliotecas, arquivos e espaços urbanos públicos. O dever de memória nos espaços da urbe e as disputas do colecionismo social na esfera do poder memorial. Museus de favelas, museus a céu aberto, arte urbana e apropriações culturais e contraculturais. Urbanismo, transporte público, habitação e memória da vida social dos objetos. Restos, rastros, ruínas e dejetos memoriais. Consumo cultural, turismo e megaeventos. Instituições prisionais, educação e memória social. Práticas sociais de imposição e apagamento de memórias.